Vocês não sabem o prazer que é estar de alta!

Vocês não sabem o prazer que é estar de alta!

Ouvir da terapeuta “é lógico que você está de alta” é uma felicidade sem tamanho, melhor que qualquer troféu, pois neste momento você percebe o quanto cresceu e evoluiu. Mas ainda mantém a sabedoria de que há muito o que aprender, só que agora aprenderá sozinha, porque de fato sua vida está única e exclusivamente em suas mãos.

Há uns dois anos e meio atrás eu vivi um momento difícil, achei que tinha perdido meu chão. No entanto, esse e tantos outros fatos que ao longo da minha vida me desestabilizaram foram fundamentais para o meu desenvolvimento e hoje posso garantir que sou uma pessoa melhor: eu me amo, cuido mais de mim e estou aberta a escrever a história da vida como a própria vida quiser seguir.

Sei que para muitas pessoas isso que eu acabei de dizer vai parecer sem nexo, mas para mim tem é muito sentido. A vida é linda do jeito que é e temos que ser gratos por todos os obstáculos que enfrentamos pois eles são fantásticos em nos transformar.

Eu acredito que a vida segue um ritmo e nem sempre ele está de acordo com o nosso. É aí que está o problema e é aí que entra o Reequilíbrio Somato Emocional. Eu preciso encontrar o equilíbrio do meu corpo, das minhas emoções para compreender o ritmo da vida e então poder aproveitar essa dança que é viver.

Durante os meus atendimentos terapêuticos vivi muitas frustrações, fiquei chateada, senti muitas dores, chorei muito e considero tudo isso como passos importantíssimos para o hoje. É muito difícil entender que os nossos problemas são nossos, que a maioria deles aconteceram em nossa vida porque a gente permitiu.

Criamos a necessidade de ter algo, de atingir tal objetivo, de dar mais que receber, a necessidade de cuidar do outro sem nem ele nos pedir, criamos em nós mesmo laços de dependência com tudo e ficamos assim com muitas e muitas coisas, pessoas, situações que nos parecem fardos, mas, apesar disso, nos sentimos responsáveis.

Vejam se identificam algo semelhante:

Era assim que eu me sentia, pequena!

Eu via minha vida como uma bagunça. Com tudo e todos sugando minha energia, sempre muito preocupada com tudo, sofrendo por antecipação e, quando algo não acontecia como eu esperava, tinha medo de ser julgada, de ser rejeitada pelas pessoas, de perder minhas coisas. Eu detestava estar sozinha, odiava minha companhia, não conseguia nem sequer existir. E o tratamento com a Ana Paula em somato mudou tudo para:

A seta mudou de direção, a direção sou eu!

É fácil dizer “Ai tudo isso dá errado porque ninguém me ajuda” ou “Eu faço tanto pra todo mundo e ninguém faz por mim”, quando na verdade a questão norteadora é “O que eu faço por mim? Como eu me ajudo? O que eu me permito?”.

Quando a seta muda a sua direção e você se permite olhar para dentro de si tenha certeza que tudo mudará, você mudará e os outros mudarão também. Você é o eixo.

E nesse sentido, a frase que mais tenho repetido no meu dia a dia é “Respeite o espaço do outro e exija respeito para consigo, você não é obrigada nada”.

E é isso! Não somos obrigados a aceitar absolutamente nada. Você tem o direito de analisar e com discernimento verificar se é ou não benéfico a você.

Quando isso passa a ser a chave da sua vida, tenha certeza essa dança fica mais prazerosa! Tudo se alinha, você consegue colocar tudo no seu devido lugar, e o mais fantástico disso é que quando você se olha no espelho, tudo no seu corpo também está no seu devido lugar também.

Então a autoestima eleva, você se sente mais bonita, atraente, poderosa. E de fato você se sente empoderada, porque você simplesmente passa a se olhar diferente.

Recentemente eu disse algo para uma pessoa e ela me respondeu “isso parece coisa de gente muito bem resolvida”. Isso ficou muito comigo e pensando nessa fala, tentando sentir o que a mim ela significava, eu percebi que SIM, EU ESTOU MUITO BEM RESOLVIDA!

Estou grata por tudo que aconteceu, ruim ou não, agradeço. Sou grata por todas as pessoas que passam pela minha vida, pois tudo – absolutamente tudo – aconteceu, acontece e acontecerá para que eu evolua, para que eu cresça, para que eu me conheça sempre mais!

Obviamente, eu não me despedi da Ana Paula para sempre. É possível que em algum momento no meu futuro eu me depare com algo que eu precise de ajuda para entender no meu corpo e na minha vida, mas o importante é o aqui e agora, e o conhecimento que tenho de mim para saber quando posso lidar e quando preciso de ajuda. Lutei tanto pela minha independência e hoje de fato me sinto INDEPENDENTE!

Esse é o meu depoimento, outros pacientes sentiram ou sentirão sensações diferentes e terão percepções diferentes, e é isso que me agrada dessa estratégia terapêutica: o fato de considerar a singularidade de cada ser, destacando o EU de cada um!