Raquel Pallares

“Meu trabalho é ajudar as pessoas a entrarem em contato com elas mesmas e a manifestar na vida, suas potencialidades”

Na clínica Quanta meu trabalho é realizado em dois enfoques: atendimento individual e trabalho em grupo. Os atendimentos individuais envolvem diálogo, acupuntura, trabalho corporal e facilitação de movimento. A técnica utilizada será decidida de acordo com a necessidade da pessoa e estudo do caso.

Os trabalhos em grupo são orientados para promover um espaço acolhedor de exploração da consciência do corpo e da mente em suas diferentes dinâmicas.

Sou bacharel em Artes do Corpo pela PUC – SP e minha formação profissional envolve medicina chinesa (em especial acupuntura) e técnicas corporais energéticas como Seitai-ho, Katsugen undo, Gi Gong, massoterapia, Butoh, entre outras.

Nos últimos anos tenho estudado na School for Body-Mind Centering ® (BMC) da Alemanha, onde recebi as certificações de Somatic Movement Educator e Practitioner. BMC é um método de trabalho somático que aborda as conexões dinâmicas entre corpo e mente. A consciência permeia todo o corpo e no BMC os vários sistemas do corpo são experimentados em percepção e movimento e trazidos à harmonia.

A abordagem somática traz um olhar integrativo ao ser humano e suas questões. Por exemplo, ela considera que as dores, doenças e traumas são memorizados nos tecidos do corpo. Tal abordagem busca abrir caminhos internos para que nosso organismo se liberte de memórias não saudáveis e encontre caminhos de autorregulação.

Desde de 2010 também trabalho em diversos países da Europa e nos Estados Unidos oferecendo workshops em temas como consciência e movimento do corpo e da mente, desenvolvimento pessoal e de grupo e prática espiritual em integração com a evolução da vida no dia a dia.

Acredito que a saúde física é uma consequência da integração das diversas esferas do ser (corpo, mente, emoções e espírito). Meu trabalho é ajudar as pessoas a entrarem em contato com elas mesmas e a manifestar na vida, suas potencialidades. Entendo a saúde para além da não doença, e sim como potência de vida e realização existencial.

Voltar